OBRIGADO,
PADRE WERENFRIED!
  Centenário

Um Mendigo de Deus

Um Mendigo de Deus   Tendo experimentado as amarguras e atrocidades da II Guerra mundial, o P. Werenfried não aceitou assistir a tudo aquilo com um mero expectador e, diante da situação inumana a que milhões de pessoas foram sujeitadas, ele assumiu a dor, causa e necessidade de toda aquela gente.

Com essa atitude, ele reconhece, na pessoa de milhares de irmãos que sofrem no corpo e no espírito, o Cristo abandonado e sofredor e fundamenta sua vida no evangelho que diz: "... todas as vezes que o fizestes a um destes pequeninos, foi a mim que o fizestes" (Mt 25,40).

Como resultado disso tudo, ele tornou-se um dos maiores pedintes - Um Mendigo de Deus - em favor daqueles que mais sofrem.

O seu talento para pedir para os mais pobres era sem igual e um jornal na altura relatou com admiração:

«Ele demorou-se duas semanas em Speyer. As igrejas encheram-se 40 vezes. Ele ficava de pé no púlpito imponentemente e suplicava. Com frequência, falava durante uma hora e meia incansavelmente, com frases curtas, de forma discreta e concreta, com a plenitude de uma experiência quase inquietante, de vez em quando com um arremesso de humor, sempre com a sua carismática força convincente que irresistivelmente conquistava os corações.

Os fiéis deitavam no seu chapéu de mendigo já gasto o que podiam. Este Mendigo de Deus reunia vertiginosas somas. Atravessava o país com uma tempestade. Atrás de si deixava um rasto de confiança e optimismo e frutos maduros de abnegado amor ao próximo».